3333

A aproximação foi lenta e cuidadosa. Melhor evitar conhecer a melhor parte enquanto é tempo. Melhor não me jogar, melhor me esconder nos cantos que podem ser desagradáveis. Não, impossível me apaixonar por alguém que não me quer. Que cobra horas e horas de burocracia. Que ignora minha presença. Impossível me apaixonar por alguém que nunca vai me dar atenção total, que sempre estará ocupada cuidando de seus arranha-céus. Impossível me entregar para alguém que não quer que dê certo.
Mas na primeira olhada a fundo, fica difícil ignorar os fatos que te fazem irresistível. O primeiro momento que me apaixonei foi naquele dia ensolarado que conheci sua maior cicatriz: lá, para todos verem, estava o memorial da suas tragédias. Você parecia não se importar em mostrar que seu coração fora esmigalhado. Estava lá, só faltava vender lápis ou camisetas escritas: eu sobrevivi ao coração quebrado. Foi lá minha primeira lágrima por você.
A segunda veio quando percorri suas tortuosas veias e você cantou uma canção para mim. Era “Stand by Me”. Jurei que lhe esperaria, jurei que faria tudo para não te deixar temer o escuro. Meu coração nunca tinha sentido nada igual. Aquela voz me deixa arrepiada cada vez mais.
Logo depois pensei em desistir, pois você me mostrou como podia ser frio e difícil. Acordar ao seu lado e querer ficar na cama, enquanto você simplesmente se mostrava cada vez mais frio, congelando. Fui quebrando o gelo aos poucos, sugeri um passeio e você me apresentou seu melhor amigo. Mal pude acreditar quem era ele. Seu maior amante. Me senti traída, me senti com inveja de tanto amor. Ele não me deu bola, muito menos você. Mas mesmo assim quis deixar registrado para guardar aquele momento.
E eu tentava e tentava, te fotografava só para poder te admirar em casa quando não percebia que você estava lá. Sorria quando via suas imperfeições e suas belezas. Já não podia mentir, aquilo era amor do mais puro.
Resolvi postergar nosso término, ver se você não queria que eu ficasse. Você me deu pequenas provas que queria. Mas não foi o suficiente. Fiz minhas malas e percebi que meu mundo já fazia parte do seu, não sabia mais o que empacotar – comprei uma mala nova para guardar nossa história e me lembrar de você para sempre. Foi tudo tão intenso que você não saberia, assim como eu, distinguir o que era seu e o que era meu.
Seis dias antes da minha partida final, sem mais treguas, você recuou. Achou que não era certo eu ir. Sorriu de uma forma irresistível, pegou meu braço e acendeu um holofote para mim. Não pude ignorar, mas já havia cansado de sua incerteza. Agora faltando três dias, tenho quase certeza que vou te deixar… Mas não posso garantir que consigo ignorar outro sorriso seu.

Baseado em fatos reais. O sorriso foi mesmo crucial para o não término daquela relação que durou mais um mês. E não é que a primavera chegou  e tirou todas as dúvidas?  Era amor mesmo.

Ana Luiza Ponciano escreve  aos sábado para o Sete Doses e estava começando a pensar que gostava mais de lugares do que de pessoas. Veja bem, estava

Anúncios