Muitas vezes buscamos uma referência para definir uma linha de trabalho. Tendo essa idéia em mente, usei uma música específica para desenvolver essa dose_INDIE.

01 – BS 2000 – Buddy

Projeto que o Adrock dos Beastie Boys desenvolve em parceria com o baterista Amery Smith. Essa é a música que serviu de referência para todo o setlist.

02 – Money Mark – Three O’clock

Ele foi o tecladista do disco Check Your Head, dos Beastie Boys, em 1992. A afinidade com a banda foi imediata e, desde então, ele é considerado o “quarto integrante” do trio.

03 – Sean Lennon – Into The Sun

Com certeza, em algum momento, o Sean Lennon já teve o próprio pai como referência, e ao longo da sua carreira gravou várias coisas legais como “Into The Sun”.

04 – Stereolab – Miss Modular

A banda surgiu em Londres no começo dos anos 90, e por opção, algumas de suas músicas são cantadas em francês. Ela é liderada pela Laetitia Sadier e pelo Tim Gane. Eles já tocaram no Brasil e, por coincidência, na época de divulgação do disco em que está “Miss Modular”.

05 – Cornershop – Funky Days Are Back Again

A cultura indiana é uma forte referência para o Cornershop. Ela está presente na sonoridade, por causa da descendência do vocalista Tjinder Singh, e até no nome da banda, com as famosas “lojas de esquina” de Londres.

cornershop

06 – Buffalo Daughter – Socks Drugs And Rock’ n’ Roll

A banda é do Japão e teve seus discos lançados na América pela gravadora Grand Royal, dos Beastie Boys. “Socks Drugs and Rock’ n’ Roll” foi lançada numa compilação que tem o mesmo nome da música e contou com a participação de vários músicos, entre eles o Money Mark.

buffalo_daughter

07 – Pizzicato Five – Twiggy Twiggy vs James Bond (*)

Outra banda japonesa que, em alguns momentos no conjunto da sua obra, buscou algumas referências na MPB. Seus integrantes eram bem criativos para escolher os nomes dos seus discos e músicas. Twiggy Twiggy vs James Bond é um bom exemplo.

* Lesley Hornby, mais conhecida como Twiggy é considerada a primeira Top Model do mundo. Sua imagem quase andrógina, pequena, com cabelos loiros muito curtos e imensos olhos realçados com camadas de rímel e cílios postiços, a fizeram um ícone dos anos 60.

twiggy

Ela foi descoberta pelo fotógrafo Justin de Villeneuve, que resolveu investir na sua carreira profissional e afetiva. O apelido que a levou ao estrelato vem desse período; de tão magra, 42kg, 1.67m, Lesley era chamada de graveto, twig” em inglês.

A partir do encontro com Justin, a carreira da modelo decolou e ela se tornou muito conhecida, tanto na Europa como nos Estados Unidos, justamente por se contrapor ao padrão de beleza feminina dos anos 50, em que predominavam mulheres voluptuosas e sensuais como a atriz Marilyn Monroe.

Twiggy emprestou seu nome e rosto para bonecas, jogos, canetas, cílios postiços, cabides, meias e até máscaras. Em 1967, ela chegou à Nova Iorque com fama de estrela e assídua frequentadora de eventos da alta sociedade. Contudo, sua carreira nas passarelas e capas de revista foi curta. Ela deixou de ser modelo em 1969 para tentar as profissões de atriz e cantora. Participou de programas de televisão e de espetáculos da Broadway, e gravou vários discos.

Em 1973, ela posou ao lado de David Bowie para a capa do disco Pin Ups.

david_bowie_pin_up

Apesar de serem considerados o casal símbolo da moda nos anos 60, Twiggy e Justin nunca oficializaram a união. Em 1977, ela casou com o ator Marco Whitney, com quem teve uma filha, Carly. Ficou viúva em 1983 e se casou novamente com o ator Leigh Lawson, de quem adotou o atual sobrenome. O casal vive na Inglaterra.

Atualmente, além de cantar, Twiggy assina uma linha de aromaterapia e costuma se dedicar a causas sociais, sendo uma ativa militante do PETA (People for Ethical Treatment of Animals), além de jurada oficial do reality show America’s Next Top Model.

Fonte: Wikipédia, a enciclopédia livre.

 

Clique aqui para baixar o podcast.

Lex publica seu podcast às sextas-feiras no Sete Doses

Anúncios