"Um homem em pedaços ainda é um homem?"

"Um homem em pedaços ainda é um homem?"

 

Faça um favor a si mesmo. Não termine de ler este parágrafo. Conduza o cursor do seu mouse até o canto superior direito da página e clique no “x” com o botão esquerdo.

……….

Não posso.

Não quero.

Mas devo.

……….

Esperou duas horas por ela. Permaneceu com as pernas cruzadas como uma mulher diante da mesa azul de plástico, ilustrada com um logotipo desbotado da Coca Cola. Quase imóvel. Apenas meneava a cabeça para um lado e para outro para assistir ao movimento do bar mal frequentado.

Era interrompido constantemente pelo proprietário do estabelecimento, vestido com o mesmo avental amarelo-sujo de sempre. “Não vai beber nada?”, perguntava o homem, arrastando o erre em seu sotaque caipira. A resposta se resumia a um aceno de mão direita aberta, em sinal de “calma”.

O garçom tinha mais com o que se preocupar. Precisou expulsar aos gritos duas garotas que insistiam em fumar no ambiente fechado do local. A cena fez o sujeito que aguardava companhia abrir um sorriso de satisfação por ter conseguido a última cadeira vaga na calçada. Puxou, então, um cigarro do maço que guardava no bolso da camisa social. Acendeu, levou à boca e soprou a fumaça no ar. Como se quisesse chamar atenção.

……….

O ombro ficara marcado pela alça da bolsa pesada. As mãos se escoravam em um apoio no alto. As pernas não suportavam mais o peso do corpo.

……….

O homem sorriu para a moça no ônibus. Um sorriso ingênuo.

Cristina retribuiu com os olhos, de soslaio, apenas educadamente. Sua vista estava cansada.

O homem se levantou depois de alguns segundos. Apontou para o assento vazio.

Cristina agradeceu. Sentou-se com delicadeza.

O homem era agora o único em pé no ônibus. Somente ela parecia não notar a sua presença.

Cristina estava desfalecida. Com o indicador em riste, girava uma corrente ao redor do pescoço. Enroscava e desenroscava o dedo.

O movimento hipnotizava o homem.

……….

Um mendigo encontrou a folha de papel abaixo, rasgada nas extremidades, dentro de uma caçamba de lixo. Estava diante de uma empresa de recursos humanos.

……….

– Desce.

– Sobe?

– Desce.


Helder Júnior, quem sabe, escreverá os textos acima em futuras quintas-feiras para o Sete Doses

Anúncios