Ainda não havia discussão sobre as Ilhas Malvinas. Mas o confronto com a Argentina, nas quartas de final da Copa do Mundo de 1966 valia como se fosse uma guerra por um território para a Inglaterra. Afinal, o país criador do futebol ainda não havia faturado um título mundial e foi para que isso ocorresse finalmente que organizou a competição.

O jogo entre duas equipes técnicas acabou descambando para a violência no Estádio de Wembley. E a situação irritou o habilidoso Antonio Rattín, capitão da Argentina. A comunicação com o árbitro da partida, o alemão Rudolf Kreitlen, foi falha. E o juiz decidiu pela expulsão de Rattín.

O argentino não aceitou e demorou dez minutos para ser retirado de campo. Escoltado, Rattin chegou a se sentar no tapete vermelho, destinado apenas para a rainha, e amassou uma bandeira da Inglaterra.

Com um jogador a mais, a Inglaterra marcou o gol da sua vitória por 1 a 0. Mas o que realmente importava já havia ocorrido. A rivalidade entre ingleses e argentinos estava criada. E, posteriormente, por conta do incidente com Rattín, a Fifa decidiu pela adoção dos cartões amarelo e vermelho.

Leandro Augusto publica vídeos sobre esportes aos sábados no Sete Doses.

Anúncios