Chegamos aos três dígitos. O Sete Doses entrou na centésia semana e a dose_INDIE também comemora 100 edições SEM TIRAR DE DENTRO. Em vez de retrospectiva escolhi pelas sobras. Defini o set list com o material não editado para os podcasts anteriores. A cada dez escolhi uma música. Acredite, a tarefa não foi NADA fácil.
 
01 – 10: The Thrills – This Year
 
Para a edição 9 pretendia colocar apenas músicas dos anos 2000. O set estava pronto e quando comecei a escrever sobre as bandas, descobri que “A Nanny In Manhattan”, de Lilys e “Frizbee”, de Super Furry Animals eram de 1996. Resolvi o problema com o nome Pequena viagem no tempo.

11 – 20: The Fall – 15 Ways
 
“15 Ways” é um clássico do rock inglês e não por acaso estava entre as escolhidas para a edição 12: Mestres e Professores. Sinceramente gosto mais ou menos do The Fall. RESPEITO a postura do vocalista Mark E. Smith e sua esposa, a guitarrista Brix Smith. Andy Rourke e Mike Joyce, do The Smiths, foram baixista e baterista do Adult Net, projeto que ela desenvolvia paralelo a banda.

21 – 30: Unrest – So Sick
 
A primeira dose_INDIE sem audio aconteceu dia 31 de julho de 2009. Meu computador zicou quando começava a editar as músicas. Na semana seguinte tudo voltou ao normal e Zig comentou que faria ilustração sobre a “volta” à rotina. Passei a relação do set para ele colocar no layout e na quinta-feira ele furou. Na outra semana ele publicou o que havíamos combinado e escolhi para o podcast o nome Imprevistos Acontecem.

31 – 40: Swirlies – Jeremy Parker
 
Todas as vezes que Swirlies entrou nos set lists, veio acompanhado de My Bloody Valentine. A sonoridade de uma completa a outra. A edição 37: sexta-feira TREZE foi sobre os shows que deixei de assitir no Planeta Terra, de 2009, por causa do Maquinária Festival. Estava com Zig e conferimos Jane’s Addiction com a formação original e Faith No More.

41 – 50: Squeeze – Take Me I’m Yours
 
Gosto dos dias de recesso de Carnaval e não da folia em si. Assim como a dose_INDIE Cover que TEORICAMENTE é publicada a cada dez edições de final 8, as de sexta-feira, pré-carnaval, serão NÃO-indie. Publicarei outros ritmos que também fazem minha cabeça. A dose_INDIE pula o CARNAVAL, de 2010, foi ska e british beat. A de 2011 será old school. “Take Me I’m Yours” foi trocada aos 48 do segundo tempo por “Cool For Cats”, de Squeeze também. Boa música mas de menor peso comparada a primeira opção.

51 – 60: Joy Division – A Means To An End
 
Malcolm McLaren morreu dia 8 de abril de 2010. Bem ou mal, goste ou não, ele TEM importância e lugar garantido na história do rock, tanto que a edição 60 é em sua homenagem e ao Movimento PUNK. A música #1 da dose_INDIE foi “You’ve Got Everything Now”, de The Smiths mas se tivesse que escolher uma para ela ser lembrada, seria “A Means To An End”, de Joy Division.

61 – 70: Sly And Family Stone – Play That Funky Music Whiteboy
 
Das edições em homenagem as bandas, 63. Living Colour foi a mais redondinha. Separei “Runnin’ Away”“Play That Funky Music Whiteboy”, de Sly And Family Stone. Independente de qual fosse escolhida, estaria satisfeito.

71 – 80: The Mooney Suzuki – Oh No
 
Contei com a participação MAIS QUE ESPECIAL do hermano mexicano PANCHO CONTRERAS na edição 78. Foi a primeira vez que dividi microfone com convidado. Pena ele não ter conseguido cantar “Malagueña Salerosa”. A 75. dose_INDIE AAC completou a segunda parte de melhorias no podcast, quando o disponibilizei no formato para iPod. A primeira foi o lançamento do logotipo. “Oh No”, de Mooney Suzuki era uma das escolhidas.

81 – 90: Queens Of The Stone Age – In My Head
 
Entre ir ao SWU, em Itú e Planeta Terra, em São Paulo, fiquei com a segunda opção mas perdi o show do Queens Of The Stone Age. Acontece. Li que a banda lançará disco em 2011. Tomara que volte.

91 – 100: The Turnbull Ac’s – Pretty Girls Don’t Go To Heaven
 
Depois de várias edições especiais, como: 25 anos do De Volta Para O Futuro, Andy Rehfeldt, 4 de Dezembro – Dia Mundial da Publicidade, Stone Temple Pilots, entre outras, para 94. Recomecei do Zero confesso que PULEI MIÚDO para escolher o set list. REAPRENDI a fazer a dose_INDIE sem tema específico. Você concorda com The Turnbull Ac’s quando afirma que “Pretty Girls Don’t Go To Heaven?”

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

dose_INDIE em números:
 
1129 músicas publicadas. 1 repetida. “Death Car”, de Wheat foi usada nas edições 49. Cinco, na Média e 92. 4 de Dezembro – Dia Mundial da Publicidade. Leia porque aqui.

3 dedicadas as Mulheres do Rock’ n’ Roll:
2. Dia Internacional da Mulher
16. Dia dos Namorados
32. Minha Amante Inglesa
 
12 homenagens:
3. Radiohead
10. Oasis
17. Homenagem aos meus dentes
19. Blur
34. Pavement
36. Jane’s Addiction
52. The B-52’s
60. Malcolm McLaren e o Movimento PUNK
63. Living Colour e Suas Influências
64. Mudhoney e o Início do Movimento GRUNGE
69. dose_INDIE duas em uma: Mark Lanegan e Michael Jackson
81. dose_INDIE FREEBASS
93. Stone Temple Pilots
 
7 Rock’ n’ Roll:
4. Rock’ n’ Roll
20. Dia Mundial do Rock
29. Pegar Pesado no Rock’ n’ Roll
40. Holy In My Shoes
72. Dia Mundial do Rock: Anos 50 – 60 – 70
73. Dia Mundial do Rock: Anos 80 – 90 – 2000
91. Cover
 
10 Cover: 7, 18, 28, 38, 48, 59, 71, 79, 91, 99
 
3 edições 13:
13. Treze
37. sexta-feira TREZE
76. a ÚNICA dose_INDIE sexta-feira TREZE de 2010
 
15 comemorativas:
42. “Brodagem” – Aniversário do Zig
43. dose_INDIE de Natal
44. 2009: OBRIGADO
45. A Primeira dose_INDIE Inédita de 2010
47. FELIZ ANIVERSÁRIO lex
53. dose_INDIE 2.0
54. dose_INDIE 1.0
58. Festival NOISE POP
65. O Auge do Movimento GRUNGE
67. casais FAMOSOS do cinema – Dia dos Namorados
74. a dose_INDIE tem LOGOTIPO
75. dose_INDIE AAC
86. 25 anos do De Volta Para O Futuro
92. 4 de Dezembro – Dia Mundial da Publicidade
96. 2010
 
2 SEM audio:
22. Pause
35. Pause
 
3 com bandas nacionais:
39. Bandas Nacionais
48. Cover – Bandas Nacionais
61. Bandas Nacionais – Shows que Assisti
 
1 com participação especial:
78. PANCHO CONTRERAS
 
2 dose_INDIE extra na quinta-feira:
THE BEATLES Rock Band
serviço de utilidade pública INDIE
 
2 músicas fantasma:
66. dose_INDIE pós feriado. Depois da vinheta de encerramento, espere mais um minuto e meio.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Clique aqui para baixar a relação de TODAS as dose_INDIE.

Clique aqui para baixar o podcast no formato AAC para iPod.

Clique aqui para baixar o podcast no formato MP3.

.

Lex publica seu podcast às sextas-feiras no Sete Doses

Anúncios

Após quase um ano de trabalho, o novo Sete Doses está praticamente finalizado, só restam alguns detalhes. O objetivo aqui é explicar como a coisa vai funcionar a partir do dia 01 de março. A data não foi escolhida por um acaso. Exatamente neste dia o blog completa dois anos de vida. Desde então, são cerca de 1400 posts, quase 200 mil acessos, diversos e-mails de todas as regiões do Brasil nos elogiando e incentivando, incontáveis reuniões memoráveis, duas festas, uma exposição e um livro lançado.

Com certeza, é muito mais do que qualquer um dos catorze esperava de um projeto despretensioso e quase irresponsável. Bom, depois disso tudo a renovação é inevitável e necessária. É como um relacionamento, um emprego, ou como tudo na vida: passa-se o tempo, a paixão começa a desaparecer e o que se vê debaixo das cinzas que sobram pode ser algo bonito ou triste. Chegamos no ponto crucial, em que definiremos se o Sete Doses ainda tem sentido de existir ou se chegou a hora de encerrá-lo e ficar com as boas lembranças.

Duas coisas, na verdade, me fazem persistir e acreditar que o site ainda tem vida longa. Primeiro, o tesão dos envolvidos: a maioria continua com o pavio aceso, gosta de criar e não espera resultados disso, faz por uma necessidade quase vital. Tenho que citar o Lex, que faz todas as sextas o podcast dose_INDIE. É impossível não considerá-lo o funcionário do mês todos os meses. O capricho, a dedicação e o conhecimento desse rapaz me arrepiam a espinha e fazem o próprio criador do site sentir vergonha por alguns de seus posts. E a segunda coisa: os leitores, pois continuamos com os acessos estáveis. Provavelmente, temos um público fiel que nos acompanha desde o começo.

Para que o Sete Doses prossiga preparamos uma reformulação completa. Contratamos um web designer, que fez um layout completamente novo e moderno e, o mais importante, convidamos mais 14 malucos para o projeto. Isso mesmo, ao invés de acabar com o site, optamos por dobrar a quantidade de colunistas. No começo, a ideia era ter quatro posts diários. Mas isso soou megalomaníaco demais e repensei junto com outros colegas de site (agradecimento ao toque do Mineiro, do Yuri, do Nicolas e do Lucas).

O novo formato tem como objetivo desafogar os colunistas, dar-lhes mais tempo para a criação de algo de mais qualidade e profundidade. Continuaremos com dois posts diários, mas com um revezamento de colunistas. Serão quatro colunistas para escrever, por exemplo, no domingo. Mas apenas dois deles escreverão em uma semana e os outros dois criam na próxima e assim por diante. Neste novo formato, cada colunista terá duas semanas para pensar e elaborar seu texto, sua tirinha, seu podcast, ilustração ou foto.

Penso, assim, que a qualidade do site irá melhorar significativamente. Com tantos dias para produzir, faltas e textos ruins serão mais raros e só quem estiver realmente sem tesão vai falhar constantemente. Só faltam alguns detalhes. Nosso cronograma é bem claro e dessa vez será seguido. Em fevereiro, deveremos organizar a terceira festa do site para comemorarmos os dois anos, apresentar o novo projeto e lançar a segunda edição de nosso livro. No dia 01 de março o site começa de novo, como num renascimento. Tudo novo, pessoas novas, ideias novas, mas com o mesmo propósito: criar com liberdade completa tudo aquilo que nos move. Espero que tenham paciência e acompanhem essa transição. Tenham certeza que o trabalho foi duro e continuará sendo. Mas no final vale a pena. E como vale.

André Toso escreve aos domingos para o Sete Doses

A 2º edição já está em produção. Em breve, acompanhe por aqui e pelo site da editora Multifoco os locais de venda e como comprar seu exemplar nas livrarias ou na Internet.

As 14 doses do blog agradecem a presença dos familiares, amigos, leitores e visitantes da Bienal do Livro que prestigiaram o lançamento no estande da editora Multifoco e fizeram com que a primeira tiragem do livro acabasse em pouco mais de uma hora. A 2º edição já está em produção. Em breve, acompanhe por aqui e pelo site da Multifoco os locais de venda e como comprar seu exemplar nas livrarias ou na Internet.

Quando tive a ideia de criar o Sete Doses pensei em uma forma de reunir meus amigos em torno de algo prazeroso. O plano inicial era criar uma espécie de laço com pessoas que conheci em diferentes fases da minha vida para não perder contato com elas. Fiz o site com esse intuito e não tinha nenhuma pretensão sobre ele. Estava enganado. Nos três primeiros dias de Sete Doses tivemos uma média de 1.500 acessos diários. Recebi dezenas de e-mails de amigos e desconhecidos elogiando a ideia. Claro que esse número era uma loucura muito grande para ser real, ainda mais porque nunca divulgamos o site de maneira decente, simplesmente publicávamos o conteúdo e esperávamos o resultado.

Com o passar do tempo, os acessos se estabilizaram em uma média de 300 por dia. Número pelo menos cinco vezes maior do que eu esperava. Aliás, eu jamais apostaria que o Sete Doses completaria um ano, ainda mais atingindo os 80 mil acessos. E-mails de alguns Estados do Brasil, elogios e mais elogios. Mas os acessos não significaram nada se comparado ao que foi produzido neste site. Até aqui, contabilizamos cerca de 650 posts, com mais de 3.500 comentários. Mas nem é a quantidade que impressiona e sim a qualidade e diversidade.

Cada um dos 14 integrantes que aqui estão já escreveram bobagens homéricas e medíocres, mas a maioria dos posts são muito bons. Muitos deles, na minha opinião pessoal, beiram a genialidade. O acervo cultural que criamos em menos de um ano é inestimável e um reflexo de cada um dos meus amigos. Passei a conhecê-los de verdade. A liberdade conferida no Sete Doses possibilitou que as pessoas depositassem suas almas no site, sendo francas e, muitas vezes, desabafando claramente. O Sete Doses passou a servir como uma espécie de terapia semanal, como bem disse o Lex uma vez.

Bom, passado 2009, com a chegada de 2010, o Sete Doses está prestes a completar um ano de vida. No fim do ano passado, cheguei a desanimar do blog e pensei em encerrá-lo enquanto ainda existia qualidade. Meu medo era que os posts ruins superassem os bons. Mas na sexta-feira resolvi que o site deve continuar. E mais, devo investir mais tempo e energia nele. Por isso, quando completarmos um ano, planejo uma reformulação total. O layout, com certeza, será alterado. O projeto editorial ainda estou pensando, mas também deve passar por uma reestruturação. Tudo isso, claro, será discutido com todos os integrantes. A ideia é renovar para voltarmos a ter o mesmo pique que tínhamos um ano atrás (se bem que muitos estão até mais animados hoje do que antes).

Outro objetivo é ter um contato maior com o leitor. Sei que muita gente é tímida ou acha que não tem muito que dizer e não comenta os textos, mas nos lê diariamente. Você, que entra aqui e não comenta, peço que envie um e-mail para setedoses@gmail.com com seu nome. Só isso: mande um e-mail com o seu nome para criarmos uma lista de leitores. Com essa lista, podemos saber quem são nossos leitores fiéis. Além de nos estimular, deixaremos vocês atualizados sobre o que vai rolar. Em 2010, a exemplo do que aconteceu com a exposição de tirinhas do Yuri e com a festa de sete meses do Sete Doses, o objetivo será levar o conteúdo virtual para o real. O leitor que me mandar esse e-mail pode ganhar convite de graça para esses eventos, a camiseta do Sete Doses e coisas do tipo. Não sei como vou fazer isso ainda, mas provavelmente por meio de sorteio. Mesmo você que é amigo de alguém que escreve e gosta do site, mande seu nome.

Do mais, queria agradecer aos outros 13 integrantes do Sete Doses. Cada um deles sabe que é especial pra mim e que marcou a minha vida de alguma forma. Conheci alguns ao acaso, já estudei e já trabalhei com outros, já até dividi o mesmo teto com dois.

E só para explicar, sexta-feira foi um dia marcante, pois perdi contato diário com dois dos caras que participam do Sete Doses. Eram os dois últimos que eu ainda tinha contato diário. Agora, estou separado de vez dos 13. Como sabemos, a vida vai nos levando por caminhos inesperados e a convivência com os amigos vai ficando difícil. O Sete Doses, neste sentido, é o fio que me liga a cada uma dessas pessoas especiais. Deixei de publicar meu texto essa semana para usar o Sete Doses como terapia. O impacto da perda de contato com esses dois amigos foi forte, mas espero que possamos nos encontrar lá na frente de novo. Por enquanto, temos o site.

Pra terminar, acho que aos 25 anos estou em uma idade decisiva. É aqui que um homem ou uma mulher começa a definir algumas coisas que serão levadas pelo resto de sua vida. É aqui que vai começar a determinar se daqui a dez anos estará sentado em um bar com seus velhos amigos no domingo a tarde – conversando amenamente e tomando uma cerveja – ou se estará no sofá engordando e assistindo Faustão. Um ser humano medíocre começa a ser fabricado a partir dos 25 anos de idade. O Sete Doses, de alguma maneira, dificulta essa tendência natural que temos à mediocridade. Mas é muito difícil lutar contra ela e eu gostaria que todos os meus amigos de site e os que estão me lendo agora se conscientizassem disso e lutassem para não se transformarem em pessoas nulas ou escrotas. Quanto mais os anos passam, mais a pessoa se torna amarga. Isso é inevitável. O mundo é tão absurdo que é difícil não se tornar mais triste do que feliz. O que nos resta é aproveitar a felicidade que temos e tomarmos cuidado pra não deixarmos a tristeza se transformar em passividade.

André Toso escreve aos domingos para o Sete Doses